Bate Papo com Antonio junior

Bate Papo com Antonio Junior

É um Bate Papo com Foco em TPM – Manutenção Produtiva Total, onde especialistas são convidados à expor suas opiniões, agregar conhecimento e contribuir com suas experiências através de perguntas e reflexões elaboradas por Túlio Martins.

Hoje convidamos Antonio da Rocha Barroso Junior para um bate papo descontraído para falarmos sobre suas experiências com o TPM. Antonio é Operador Técnico de Cervejaria, possui 16 anos de experiência de indústria cervejeira, como a Schincariol, onde foi apresentado ao TPM e ao Lean Manufaturing, trabalhou na Ambev como operador de processo de Filtração, Brasil Kirin e atualmente na HEINEKEN, onde atua como Operador de Produção e como líder de Time de AM, participando de times de melhorias como Loop de diminuição de reclamações de mercado, comitê de redução de consumo de água, comitê de perda de açúcar, redução no consumo de soda na ETA/ETDI, comitê de perda de extrato, dentre outros, sempre utilizando ferramentas específicas para cada oportunidade, como gráficos de pareto, Ishikawa, 5W1H, 5W2H, CAPdO (PDCA) dentre outras.

Palestrante na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no Instituto Federal do Maranhão, com tema TPM, ministrante de aulas online para alunos do curso de Eletromecânica no SENAI-MA do Programa Jovem Aprendiz sempre com temas voltados para elementos fabris, como TPM, 5S, EPI’s, LOTO etc.

WhatsApp: (99) 9858-4563
linkedin.com/in/barrosojunior
@barrosojr1981

Antonio,Como foi seu processo de escolha pela profissão e área de atuação? TPM foi sua primeira opção?

Não, iniciei na área comercial, sendo a presentado ao mundo industrial em 2002, durante a construção da unidade fabril da Schincariol em Caxias, no estado do Maranhão, onde ingressei em 2004, após atuar por 4 anos saí e fui atuar na área de tecnologia, onde me formei em Analista de Sistemas, porém, a paixão pela indústria me trouxe de volta, e estou até hoje buscando melhorar como profissional dentro da minha área de atuação.

Da indústria de antes e os modelos atuais o que mais mudou que você pôde acompanhar com a sua experiência? E qual a visão de mudança que você tinha de como seria hoje e como está? Por exemplo tem conceitos atuais de indústria 4.0 hoje, que naquela época já se pensava nisso?

Um dos pontos mais importantes e que mais observo é a mudança de comportamento com relação à segurança, mesmo com lacunas ainda a serem preenchidas, o comportamental, que na minha opinião é o divisor entre o sucesso e o fracasso de qualquer sistema de gestão empresarial, tem se alterado a cada ano, sempre para melhor.

Em relação à visão de como estaríamos atuando no chão de fábrica nos dias atuais, pensava em estar vivendo ao menos um comportamento mais avançado com relação ao 5S, que estaríamos vivenciando uma cultura muito forte em relação à disciplina por parte de todas as áreas da empresa no que diz respeito à implantação de sistemas de auto gestão em nossas indústrias e empresas de todos os tipos.

Por mais hoje que falamos de novos conceitos como TPM, Lean, metodologia ágeis, 5’S sabemos que estes conceitos sempre existiram desde o fordismo, taylorismo e são conceitos mais aperfeiçoados do que realmente novos. Sobre estes conceitos e práticas o que pode nos contar?

Conceitos são formados a partir de práticas que deram certo, porém, sempre que um novo método ou ideia surge e gera algum resultado positivo, tende-se a engessá-lo, muito por medo ou receio que este perca sua essência. Metodologias, sistemas de gestão, ferramentas de qualidade e gestão, além de comportamentos e culturas que tragam resultados positivos em todas as áreas dentro da empresa ou na vida pessoal, devem ser vistas como aliadas, devendo ser utilizadas da forma correta, mas sem regras engessadas que podam a criatividade e montam sistemas travados que não permitem melhorias em determinados processos de melhoria contínua.

As novas tecnologias e recursos atuais contribuíram para evolução da gestão do chão de fábrica? Tem algum exemplo prático que pode nos contar?

Sem dúvida alguma. Em 2006, quando participei do Projeto Manufatura Enxuta do Grupo Schincariol, foram criados os primeiros padrões operacionais do Grupo, até o momento, tudo era feito de forma empírica, cada operador fazia um processo de forma diferente, após a implantação dos PO’s, os processos ficaram mais uniformes, evitando falhas e garantindo um aumento significativo da eficiência global das linhas.

Além de PO, inciamos a implantação da Gestão à Vista, 5S, padrões de limpeza, reaperto e lubrificação, além de atuarmos no sistema de carregamento, onde diminuímos o TMA de quase 5 horas para 52 min, apenas mudando o LayOut do galpão da Logística. Apenas em 2007 a unidade de Caxias economizou quase R$500.000,00 em 6 meses com projetos de melhoria apoiados pelo Lean e TPM.

E os profissionais atuais tem mais /melhores oportunidades com os novos recursos? Ou têm mais concorrência?

Em minha visão, tudo é questão de ponto de vista, de comportamento ante a realidade que nos encontramos. Eu poderia me ver com menos chances, uma vez que demorei para me capacitar academicamente falando, enquanto hoje vejo novos profissionais entrando na indústria com 22 anos e já concluindo um curso de Engenharia, eu me formei aos 32 anos, e hoje com 39 estou fazendo minha primeira pós e um curso Técnico em Eletromecânica, mas não me vejo, ainda, ameaçado, por assim dizer, pois sempre me apoio em informações técnicas do processo que estou envolvido. Então acredito que depende muito do profissional se ele saberá identificar as oportunidades com o advento das novas tendência que estão surgindo.

A partir deste novo cenário que estamos vivendo, quais serão as ferramentas da Manutenção que passarão a ser procuradas com mais ênfase?

Ferramentas que gerem maiores resultados, evitando desperdícios de tempo, de dinheiro e intelecto. Difícil enumerar, mas creio na união de ferramentas de gestão e qualidade como base de apoio para alcançarmos resultados melhores em todas as áreas, não só na manutenção.

Por que o pensamento Manutenção Lean é importante para empresas neste novo cenário?

O Lean é muito claro quando fala em evitar desperdícios, e mesmo antes do cenário que estamos vivendo, onde recursos estão correndo o risco de ficarem escassos, já se fazia necessário a diminuição do consumo desordenado de vários tipos de recursos, além do mais, com o foco em perda zero, deixamos de perder´insumos, materiais auxiliares, produtos acabados, perda de tempo por setup, por ajustes, por transporte desnecessário, por estoque e uma das perdas mais significativas que a indústria tem vivido nos últimos tempo, perda intelectual.

Antonio, descreva um problema interessante e como você o solucionou.

A alguns anos me deparei com o aumento significativo do número de reclamações de mercado por corpo estranho dentro de garrafas de cerveja de 600ml, criamos um comitê de perdas e utilizamos um Loop Infinito para poder identificar as possíveis causas do problema, utilizamos várias ferramentas, que nos levaram a várias causas, muitas voltadas para o comportamental da operação, mas depois de muito avaliar e criar barreiras físicas e lógicas no processo, percebi que o problema persistia.

Pedi à área de qualidade que segregasse um dos paletes que retornaram da revenda para avaliar, olhamos as 1176 garrafas, uma a uma, fizemos uma triagem e descobrimos que as reclamações não faziam sentido, era apenas a revenda devolvendo garrafas que por algum motivo não foram vendidas, ou foram abertas e não consumidas, dentre outros casos.

Resultado, criamos um sistema de controle maior durante as visitas às revendas, reduzindo em 97% o número de reclamações deste tipo. Uma economia de aproximadamente R$25,000.00 por mês.

Com suas palavras, Antonio, descreva o que é TPM, Manutenção de Classe Mundial e quais são os princípios.

Metodologias indispensáveis para a sobrevivência das empresas, pois abordam pontos estratégicos de redução de perdas de todos os tipos, além do aumento da capacidade de gestão operacional autônoma, o que garante processos mais enxutos, com menos perdas, zero desperdício, zero quebra e zero acidente.

Antonio, gostaria que deixasse uma mensagem para os profissionais do mundo da Manutenção de Classe Mundial

Me chamem, vamos trabalhar juntos rumo à excelência, tenho ambição de aprender cada vez mais sobre sistemas de gestão que gerem resultados extraordinários, sejam tangíveis ou intangíveis e que tenham como foco alcançar resultados sustentáveis, com melhoria contínua e auto gerenciável em busca de uma manutenção comprometida e engajada junto ao corpo operacional e outros setores da empresa, sempre focando resultados diferenciados.

Antonio da Rocha Barroso Junior

2 comentários em “Bate Papo com Antonio Junior”

Os comentários estão encerrado.