nivelamento-heijunka

Manufatura “puxada” (“Pull system”) ou “empurrada” (“Push system”)?

Quando ouvimos falar de manufatura do tipo “empurrada”, em suma, significa que ela produz para estoque e essa produção não se baseia em demanda real. Visto que a do tipo “puxada” significa que ela produz baseada na demanda real.

Manufatura “puxada” (“Pull system”) ou “empurrada” (“Push system”)?
Condições para disparar produção: Disponibilidade do material. Presença da ordem no programa definida a partir de previsões. Disponibilidade do equipamento. Demanda. Diferença entre sistemas puxados e empurrados. Puxado: Condições para disparar produção: Sinal vindo da demanda (quadrado Kanban com menos de dois produtos (no exemplo) Disponibilidade do equipamento. Disponibilidade do material.

A Manufatura Enxuta…

Mas também conhecida por Lean Manufacturing, surgiu na década de 50, no Japão, como uma teoria que se baseava na priorização das melhorias da função-processo, pela eliminação contínua e sistemática das perdas do sistema produtivo.

Esse sistema de produção, quando devidamente adaptado e aplicado à empresa para a qual se destina, propicia excelentes resultados, pois são numerosas as fontes de oportunidades para redução e eliminação de desperdícios, dentre as quais podem ser citados os grandes estoques e as operações que não agregam valor, os desperdícios burocráticos, como um sistema de informações ineficiente, processos de compras lentos, duplicidade de tarefas ou de aprovações em documentos importantes da empresa, entre outros casos.

É uma filosofia operacional…

Criada especificamente na Toyota, pelo Engenheiro Taiichi Ohno e seus colaboradores. Esta filosofia surgiu da necessidade da Toyota de eliminar desperdícios, para assim se tornar uma empresa com perfil para competir com as empresas automobilísticas americanas.

Assim, o modo de produção enxuta visa uma manufatura flexível, estoques baixos, eliminação de desperdícios por todo o processo, redução de quebras e falhas, layouts enxutos, identificação das atividades que agregam valor ao produto, etc. Certamente é uma filosofia que visa atender as necessidades dos clientes exatamente como eles desejam e no tempo certo.

Segundo Ohno (1997), os maiores desperdícios de uma indústria concentram-se na produção e, portanto, as estratégias de negócio das empresas devem considerar que as atividades relacionadas a manufatura podem gerar vantagens competitivas considerando-se as atuais condições impostas pelo mercado.

De fato é muito mais que uma ferramenta de gerenciamento, se trata de uma filosofia de gestão focada na identificação, quantificação e gerenciamento dos processos de forma a buscar continuamente a redução de desperdícios nestes processos. Bem como estes desperdícios estão diretamente ligados ao: excesso de produção; tempo de espera; transporte desnecessário; excesso de processamento; excesso de estoque; movimentação excessiva; e quebras de qualidade.

Manufatura “puxada” (“Pull system”) ou “empurrada” (“Push system”)?
Modelo de producao puxada na industria.

O que é Produção Empurrada?

Do inglês “push system”, o sistema de Produção Empurrada é determinado a partir do comportamento do mercado. Neste modelo, antes de mais nada, a produção em uma empresa começa antes da ocorrência da demanda pelo produto. Ou seja, a produção depende de uma ordem anteriormente enviada. Portanto, após o recebimento de tal ordem, é feita a produção em lotes de tamanho padrão. Entretanto, aqui não existe qualquer relação com a real demanda dos clientes da empresa.

O chamado fluxo contínuo de produção também não tem importância neste modelo de produção, uma vez que a produção ocorre isoladamente em cada unidade fabril utilizada no processo.

Este modelo de produção surgiu no início da era industrial, onde a qualidade dos produtos não importava muito, uma vez que existia uma demanda praticamente infinita em um mercado sem competição. Afinal, o volume dos produtos produzidos para atender à esta demanda era a única preocupação das indústrias.

Manufatura “puxada” (“Pull system”) ou “empurrada” (“Push system”)?

Manufatura “puxada” (“Pull system”) ou “empurrada” (“Push system”)?
Producao puxada vs empurrada

Primeiramente, o sistema de produção empurrada é um sistema clássico de produção que teve origem na Revolução Industrial. Portanto, o seu conceito é que em cada posto seja produzida a lista de itens entregue e empurrar os itens ao posto seguinte.

Manufatura Empurrada

Vantagens:

  • Maior controle das operações de manufatura;
  • Definição dos prazos de entrega;
  • Maior aceitação à variabilidade da demanda.

Desvantagens:

  • Alta dependência de estoques, tanto de matéria-prima quanto entre processos;
  • Não há uma comunicação entre os processos;
  • É mais difícil identificar e corrigir as falhas dos processos.

No sistema de produção puxada o fluxo dos materiais é o mais importante, assim, o acúmulo de materiais entre processos é considerado um grande desperdício e o principal objetivo do sistema é reduzir estoques e evitar superproduções.  Assim, numa produção puxada só há produção se houver pedido, e cada processo puxa peças do processo anterior.

Manufatura Puxada

Vantagens:

  • Redução dos estoques;
  • Redução do custo operacional do PCP;
  • Melhoramento da qualidade;
  • Redução dos custos de produção;

Desvantagens:

  • Pode gerar ciclos ociosos quando houver baixa demanda;
  • Vulnerabilidade da produção a fontes internas e externas;
  • É dependente da qualidade de entrega dos fornecedores;

Acesse ao meu blog clicando aqui!

Referência:

PRODUÇÃO Puxada e Empurrada. [S. l.], 5 set. 2011. Disponível em: http://sobreproducao.blogspot.com/2011/09/producao-puxada-empurrada.html. Acesso em: 7 mar. 2019.

PRODUÇÃO Puxada X Produção Empurrada. [S. l.], 22 mar. 2013. Disponível em: http://tecnico-emlogistica.blogspot.com/2013/03/producao-puxada-x-producao-empurrada.html. Acesso em: 7 mar. 2019.

SANTANA, Nadia. Sistema puxado e empurrado de produção. [S. l.], 31 mar. 2011. Disponível em: https://empreendedorabela.wordpress.com/2011/03/31/sistema-puxado-e-empurrado-no-sistema-de-producao/. Acesso em: 7 mar. 2019.

TÚLIO MARTINS