Engenharia de Projetos Industriais

A engenharia, em especial a dedicada à elaboração e gerenciamento de projetos industriais, é uma das áreas técnicas mais promissoras no Brasil, onde a demanda é enorme em segmentos tais como siderurgia, mineração, petroquímica, infraestrutura, metalurgia, celulose e bens de capital, principalmente em razão da falta de mão-de-obra experiente e qualificada nas várias especialidades da engenharia (TAMIETTI, 2009).

Um projeto pode ser definido, segundo RAMOS (2006), como um processo único, contendo um conjunto de atividades coordenadas e controladas com início e término, com intuito de atender a uma demanda ou requisito especifico, considerando as restrições de tempo, custos e recursos. Para o PMI (2010) um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Um projeto é constituído de etapas, diferenciando-se de uma atividade contínua, uma vez que o projeto possui tempo e recursos limitados e determinados a acabar, tendo, portanto, um ciclo e vida. Para se obter o sucesso em um projeto e a consequente integração entre essas etapas, o mesmo deve principalmente atender às expectativas quanto a custo, prazo e escopo definidos, de forma a satisfazer as expectativas do cliente final e atingir as metas da organização. Torna-se de importância a definição clara dos objetivos, do fluxo de informações e do planejamento de tarefas, tempo e recursos, entre outros (RABECHINI JR, 2001).

Etapas de Projetos

Segundo FERREIRA (2011), os projetos surgem de uma ideia inicial, decorrente da identificação de uma oportunidade de mercado, da necessidade de solução de um determinado problema ou através da solicitação de um cliente, entre outras formas. Partindo-se dessa ideia inicial prossegue-se para fase de planejamento, desenvolvimento e execução, que vai gerar um produto final qualquer.

Dividindo os projetos em fases, obteremos maior controle gerencial das operações em andamento, por parte da organização executora. Essas fases são conhecidas como ciclo de vida do projeto. O ciclo de vida do projeto define o que é necessário para realização dos trabalhos do mesmo. Ele mostra qual trabalho técnico deve ser realizado em cada fase e quem deve ser envolvido. Uma representação de ciclo de vida de um projeto pode ser visualizada através da figura 1.

Ciclo de vida de um projeto
Ciclo de vida de um projeto

Em particular, quando o projeto trata da implantação de um empreendimento pode-se dividir as etapas de acordo com a figura 2, onde esse conjunto está inserido em macroprocesso, que é o planejamento.

Etapas de um projeto de empreendimento
Figura 2- Etapas do Projeto de um Empreendimento Fonte: Barreto et al (2006)

Classificação dos Projetos

Dependendo da fase do empreendimento, a engenharia de projetos é classificada em:

1. Engenharia de Projeto (Estudo) de Viabilidade

2. Engenharia de Projeto Conceitual;

3. Engenharia de Projeto básico;

4. Engenharia de Projeto executivo;

5. Documentação “as built” (conforme construído).

Nas figuras 3 e 4 abaixo, tem-se uma ilustração das fases de projeto de pequeno e grande porte.

Fases de um projeto de grande porte
Figura 3- Fases de um projeto de pequeno porte Fonte: Autoria própria
Fases de um projeto de pequeno porte
Figura 4- Fases de um projeto de grande porte Fonte: Autoria própria

Projeto Viabilidade

Para FERREIRA (2011), está relacionado a um conjunto de estudos sobre um empreendimento, destacando e demonstrando os aspectos técnicos e econômicos que asseguram sua viabilidade. O erro admissível para esse é de 40%, ao se considerar as estimativas.

Projeto Conceitual

Para TAMIETTI (2009), a etapa de realização anteprojeto ou projeto conceitual é a fase inicial de projeto de um empreendimento (em termos da engenharia de projeto), sendo a transformação de uma série de dados em uma solução de engenharia que envolve várias linhas de raciocínio e informações interdisciplinares. É o elo de ligação das estratégias empresariais à engenharia propriamente dita.

Essa etapa procura trabalhar e aumentar a confiabilidade dos dados contidos no estudo de viabilidade. Busca-se, dados mais exatos sobre o empreendimento e suas especificações, através de análises de campo e científicas. O anteprojeto de acordo com Curi (2009), é um instrumento de negociação para o financiamento do empreendimento.

Projeto Básico

O projeto básico consiste, pois, na elaboração, a partir das informações resultantes do projeto conceitual, de todas as atividades e dos documentos finais de engenharia que permitam a elaboração de requisições técnicas para a compra dos equipamentos, materiais, sistemas, obras e serviços e a geração de dados e informações necessários ao desenvolvimento da engenharia de detalhamento para a implantação do empreendimento segundo TAMIETTI (2009).

De acordo a Resolução nº 361/91 do CONFEA (1991) apud FERREIRA (2011) um projeto básico “é o conjunto de elementos que define a obra, o serviço ou o complexo de obras e serviços que compõem o empreendimento, de tal modo que suas características básicas e desempenho almejado estejam perfeitamente definidos, possibilitando a estimativa de seu custo e prazo de execução”. Nesta fase, considerando o erro cometido em suas conclusões de cerca de 20%, já se pode concluir pela viabilidade ou não de implantação do empreendimento (CURI, 2009).

Projeto Executivo

Os projetos detalhados, também chamados de “executivos”, se destinam a fornecer os elementos para a construção e montagem de uma planta.

De acordo com o INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO (2003) apud FERREIRA (2011) o projeto detalhado se “destina à concepção e à definição final do conjunto de informações técnicas para realização de um investimento, incluindo quantitativos de materiais, especificações técnicas e de serviços e quando previsto no contrato, o memorial de cálculo completo”.

O detalhamento do projeto será a fase definitiva para a implantação física do empreendimento, os dados resultantes da documentação produzida e as informações obtidas propiciarão uma precisão nos orçamentos da ordem de 95%.

Documentação “as built” (conforme construído)

A documentação “as built” (“como construído”) contempla os dados do projeto inicial (básico e detalhado), acrescido ou modificado pelas informações (alterações) surgidas na fase de execução da instalação, ou seja, consiste na atualização dos documentos de projeto, elaborados nas etapas de engenharia anteriores, à real situação implantada.

Referências Bibliográficas

BARRETO, F. C. P.; BORGES, J.; FERREIRA, J. C. A.; ZUCCO, L. A. O.; LOPES, R. H.; Utilização de Ferramentas para Melhoria do Planejamento (FEL, FEED, Vips, Lições Aprendidas) no Gerenciamento de Projetos de Grande Porte na Petrobras. Trabalho de Conclusão de Pós-Graduação, USP. Rio de Janeiro, 2006.

CURI, A. Projeto de Mineração Avançado. Notas de aula da disciplina Projeto de Mineração Avançado. Ouro Preto, 2009.

FERREIRA, Guilherme Stopa. “Análise e desenvolvimento de projetos de empreendimentos minerais: Um estudo sobre a aplicação da metodologia FRONT END LOADING”. Universidade Federal de Ouro Preto, Departamento de Engenharia de Minas, Ouro Preto – MG, 2011

PMI, Project Management Institute (Editor). Um Guia do Conjunto de Conhecimentos do Gerenciamento de Projetos – PMBOK (Project Management Body of Knowledge) Guide. PMI, Edição em português – 2010.

RABECHINI JR, Roque. A importância das habilidades do gerente de projetos. Revista Administração de Empresas – RAE, São Paulo, v.36, n.1,  jan/mar 2001.

RAMOS, R. Gerenciamento de projetos: ênfase na indústria de petróleo. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.

TAMIETTI, Ricardo Prado; “Engenheira de Projetos Industriais”; Versão R1.0.0; Cobrapi Educação, Belo Horizonte – MG, 2009.

Confira outros artigos aqui!

TÚLIO MARTINS
WeCreativez WhatsApp Support
Estou disponível para lhe atender, deixe sua pergunta...
👋 Olá, sou o Túlio, como posso ajudar?